A obsolescência da escola desconectada

Sociedade em rede e sociedade do conhecimento são expressões que dizem respeito ao mundo contemporâneo e às experiências culturais mediadas por tecnologias, em especial às Tecnologias da Informação de Comunicação (TIC).

Computadores, internet, softwares, jogos eletrônicos e dispositivos cada vez mais inteligentes e interativos constituem o ambiente cotidiano de um número crescente de pessoas. Mesmo a cultura de sociedades e regiões cujas populações têm acesso limitado às tecnologias e à internet, estão em processo acelerado de digitalização. Sua história, paisagens, cultura, imagens de natureza regional, idioma e dialetos, certamente poderão ser encontrados digitalizados nos acervos da internet.

Ao mesmo tempo, o capitalismo cognitivo e global cobre todas atividades humanas com uma capa de informação e conhecimento, alterando o valor, a produção e a distribuição dos produtos materiais e imateriais, que circulam em fluxos de consumo desterritorializados.
De alguma forma, todas a áreas da vida estão impactadas pelo desenvolvimento das TIC.

Também o campo da Educação vive uma grande transformação. As teorias pedagógicas criadas antes do advento da computação informatizada e da existência da internet não são capazes de dar suporte ao rico universo de possibilidades de ensino e aprendizagem que as tecnologias de informação e comunicação configuram atualmente. Novos tipos de alunos, cada vez mais ciborgues , que vivem imersos e enredados em ecossistemas comunicativos

Em 2004, George Siemens apresentou, como resultado de uma série de investigações e experimentações, no artigo “Conectivismo: uma Teoria de Aprendizagem para a Idade Digital”, uma abordagem que se constituiu como referência quando se pensa nas mudanças que a educação é desafiada a fazer para se adequar às necessidades da sociedade conectada.

A teoria, chamada Conectivismo, aborda a aprendizagem como um processo de criação de redes internas – rede neural – e externas – redes de aprendizagem pessoal e ecologias de aprendizagem. Procura responder ao desafio da atualização do conhecimento numa sociedade em que a produção do mesmo rompeu as barreiras institucionais tradicionais, tem curta validade, é fluído e se encontra em todo o lugar.

O contexto de aprendizagem da sociedade em rede, como explica Siemens (2004), é formado por ambientes e processos em que o conhecimento não é mais adquirido de forma linear e sequencial. O conhecimento e a informação atualmente são recursos ubíquos. As mudanças tecnológicas que aconteceram e continuam acontecendo na produção, armazenamento e distribuição da informação, impactaram e impactam profundamente as formas de aprender e ensinar.

Manuel Castells, em apresentação no projeto Fronteiras do Pensamento, explica, de uma forma bem direta, como a abundância de informação provoca uma crise no sistema formal de educação, ao afetar uma das suas principais estratégias instrucionais, a transmissão de informação:

A aprendizagem na maior parte das escolas e universidades é totalmente obsoleta, porque insistem em produzir uma pedagogia baseada na transmissão de informação. Bom, não precisamos de transmissão de informação, porque a informação está toda na internet (CASTELLS, 2014 apud Fronteiras do Pensamento, 2014).

1-9dIo0ZZLzrR8HWhEuoODXw

Por sua vez, Siemens (2004, 2010) destaca, entre aquelas características da sociedade atual que impactam criticamente os campos da aprendizagem e da educação: a complexidade do conhecimento; o volume de informação disponível e a velocidade de sua atualização; a conectividade distribuída e consequentemente o estímulo permanente à interação e a vida em rede.

Como exemplo de habilidades humanas consideradas necessárias para viver na sociedade informacional estão o reconhecimento de padrões em sistemas complexos; saber fazer conexões, atuar e operar em rede; reconhecer e se ajustar às mudanças nos padrões.

Para aprender, em nossa economia do conhecimento, é necessário ter a capacidade de formar conexões entre fontes de informação e daí criar padrões de informação úteis. (SIEMENS, 2004, p.5).

 

 

 

Anúncios