Arquivo da categoria: Sinapse

textos instituicionais

Redes operativas

No final de agosto, tive a oportunidade de participar do curso “Gestão de Redes de Agroecologia: Interação para o desenvolvimento rural sustentável”, organizado pela Rede de Agroecologia do Leste Paulista. O curso aconteceu na Embrapa Meio Ambiente, em Jaguariúna, interior de São Paulo. Eu participei com o tema “Princípios da organização em rede e da cooperação em processos coletivos“.

dscn9157

Aula no curso da Rede de Agroecologia do Leste Paulista, em agosto de 2016.

O movimento de agroecologia, como a maioria dos movimentos sociais brasileiros, atua com redes descentralizadas, ou mais descentralizadas que distribuídas.  Estas redes eu chamo de redes operativas, conceito que comecei a desenhar em 2009 e que reencontrei nos meus escritos mais antigos quando fui preparar o material para o curso. O conceito é um recorte que faço no campo das redes sociais. Pode até ser considerado uma abordagem equivocada ou/e conservadora diante da ciência de redes e da fenomenologia da interação. No entanto, nos 19 anos em que trabalho com processos organizativos em rede,  poucas vezes encontrei redes mais distribuídas que descentralizadas, não porque sejam inviáveis ou difíceis, ou insustentáveis, mas sim porque a cultura política da militância e da participação predominam nos processos de articulação. O conceito permite pensar e desenhar governança em redes existentes principalmente no Terceiro Setor e faz sentido para  um grande número de pessoas envolvidas em estruturas organizativas descentralizadas.

Observação: As redes mais distribuídas que encontrei estão nos ambientes relacionados às tecnologias digitais, inovação e criatividade.  E as experiências de produção conjunta em processo auto-organizado e interativo que tive foram em pequenos grupos.

Redes operativas

A expressão aparece no livro Redes: uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto-organização,  de Cássio Martinho,  quando ele faz uma distinção de tipos de redes: “Quanto ao escopo da ação, as redes também podem ser classificadas em dois tipos gerais: redes de troca de informação e redes operativas.”

No livro, Martinho caracteriza as redes de troca de informação como aquelas cuja ação é constituir um ambiente de troca de informações, veiculação de notícias, intercâmbio de conhecimento. Já as redes operativas seriam as que desenvolvem estudos e pesquisas, estabelecem e conduzem processo de interlocução e negociação política, acompanham políticas públicas, promovem capacitações e formação, atuam na defesa de direitos sociais e causas coletivas e, no caso das redes de economia solidária, produzem e distribuem bens.

Por volta de 2009, re-editei o conceito, incluindo a distribuição e compartilhamento de informação como uma atividade das redes operativas e incorporando a comunicação telemática, intensamente presente no fenômeno das redes atuais e que lhes confere características distintas daquelas redes sociais que não a utilizam. São redes sociotécnicas, um hibridismo entre teias de interação social e tecnologia de comunicação assistida por internet, que possibilita crescente grau de conectividade e amplia a possibilidade de distribuição da comunicação. Por isso, seu hibridismo alcança também a convivência de práticas mais distribuídas com outras que tendem à centralização.

Ficou assim:

redes-operativas

Como estamos desabilitando a cooperação (na infância)

Trabalhando  na produção do roteiro de aprendizagem para o curso “Dinâmicas da cooperação” , debruço-me  atenta sobre Juntos, do Richard Sennet, um dos livros que me inspiraram a oferecer o curso e lá aprendo  sobre como estamos desabilitando culturalmente a habilidade de cooperação em nossas crianças.

mafalda

Os bebês e as crianças até a idade escolar exploram intensivamente a cooperação  como estratégia de aprendizagem. Quando entram na escola tem início um processo de desabilitação da cooperação via a experiência da desigualdade.  Sennet explica sobre duas formas  que a desigualdade  é vivenciada no ambiente escolar: a separação das crianças em classes diferenciadas por habilidades e capacidade ( nos EUA e Grã- Bretanha, até o século XIX as crianças não eram diferenciadas como atualmente, ficavam na mesma sala a té  a adolescência, na França e Alemanha até o século XVII, as crianças ficavam misturadas até o início da adolescência). A outra forma está diretamente relacionada à desigualdade econômica e social e tudo que vem junto com ela. Tudo isto  começa a ser internalizado e naturalizado pelas crianças.

Desta forma, por volta dos 10 anos, a habilidade social infantil para a cooperação pode ser comprometida pelos fatos econômicos e pela instituições sociais, que moldam o senso de individualidade. Uma das maneiras como isso acontece na nossa sociedade é o consumo.  Acontece facilmente quando a desigualdade já está internalizada, tanto para os que se sentem “superiores” como para os que são “inferiores”.  O marketing convence a infância e a adolescência de que ela é o que possui. São vários tipos de consumo atacando a criança (e seus pais): o consumo médico (a medicalização da infância e da adolescência),  remédios, brinquedos, roupas, lazer, acesso à tecnologia, moradia (condomínios como ilhas). Todos estes consumos vão constituindo as crianças e as diferenciando.

A comparação odiosa  explora o sentimento de inferioridade, por meio  de desdém, exclusão, brincadeiras, humilhações.  O marketing investe  na fantasia que a posse de objetos e o acesso a coisas e serviços pode  proporcionar sentimento de reconhecimento.  E se você não pode comprar?

Há um enunciado óbvio para esta situação: eu sou melhor que você. Há um enunciado silencioso, interno, sutil  desta situação: Você não me vê, eu não conto para você porque não sou bom.  E o ressentimento cresce nutrindo um certo senso de individualidade , marcado pelo sentimento de inferioridade. De novo aqui, a solução que a sociedade de mercado oferece é o consumo de objetos de status para aplacar o ressentimento. Mas ressentimento e sentimentos de inferioridade comprometem a cooperação, desabilitando  habilidades sociais cooperativas.

Eu já tinha observado a desabilitação da cooperação pelo sentimento de  inferioridade e ressentimento em ambientes / relações de trabalho, em post que  fiz na Escola de Redes, em 2010: Pensando sobre cooperação.

A aprendizagem sobre Dinâmicas da Cooperação vai criar uma oportunidade para refletirmos e cocriarmos sobre  várias questões como esta.