Arquivo da categoria: Atividades

o que está sendo realizado

Redes operativas

No final de agosto, tive a oportunidade de participar do curso “Gestão de Redes de Agroecologia: Interação para o desenvolvimento rural sustentável”, organizado pela Rede de Agroecologia do Leste Paulista. O curso aconteceu na Embrapa Meio Ambiente, em Jaguariúna, interior de São Paulo. Eu participei com o tema “Princípios da organização em rede e da cooperação em processos coletivos“.

dscn9157

Aula no curso da Rede de Agroecologia do Leste Paulista, em agosto de 2016.

O movimento de agroecologia, como a maioria dos movimentos sociais brasileiros, atua com redes descentralizadas, ou mais descentralizadas que distribuídas.  Estas redes eu chamo de redes operativas, conceito que comecei a desenhar em 2009 e que reencontrei nos meus escritos mais antigos quando fui preparar o material para o curso. O conceito é um recorte que faço no campo das redes sociais. Pode até ser considerado uma abordagem equivocada ou/e conservadora diante da ciência de redes e da fenomenologia da interação. No entanto, nos 19 anos em que trabalho com processos organizativos em rede,  poucas vezes encontrei redes mais distribuídas que descentralizadas, não porque sejam inviáveis ou difíceis, ou insustentáveis, mas sim porque a cultura política da militância e da participação predominam nos processos de articulação. O conceito permite pensar e desenhar governança em redes existentes principalmente no Terceiro Setor e faz sentido para  um grande número de pessoas envolvidas em estruturas organizativas descentralizadas.

Observação: As redes mais distribuídas que encontrei estão nos ambientes relacionados às tecnologias digitais, inovação e criatividade.  E as experiências de produção conjunta em processo auto-organizado e interativo que tive foram em pequenos grupos.

Redes operativas

A expressão aparece no livro Redes: uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto-organização,  de Cássio Martinho,  quando ele faz uma distinção de tipos de redes: “Quanto ao escopo da ação, as redes também podem ser classificadas em dois tipos gerais: redes de troca de informação e redes operativas.”

No livro, Martinho caracteriza as redes de troca de informação como aquelas cuja ação é constituir um ambiente de troca de informações, veiculação de notícias, intercâmbio de conhecimento. Já as redes operativas seriam as que desenvolvem estudos e pesquisas, estabelecem e conduzem processo de interlocução e negociação política, acompanham políticas públicas, promovem capacitações e formação, atuam na defesa de direitos sociais e causas coletivas e, no caso das redes de economia solidária, produzem e distribuem bens.

Por volta de 2009, re-editei o conceito, incluindo a distribuição e compartilhamento de informação como uma atividade das redes operativas e incorporando a comunicação telemática, intensamente presente no fenômeno das redes atuais e que lhes confere características distintas daquelas redes sociais que não a utilizam. São redes sociotécnicas, um hibridismo entre teias de interação social e tecnologia de comunicação assistida por internet, que possibilita crescente grau de conectividade e amplia a possibilidade de distribuição da comunicação. Por isso, seu hibridismo alcança também a convivência de práticas mais distribuídas com outras que tendem à centralização.

Ficou assim:

redes-operativas

Anúncios

Virtualidades e redes

redes

Este vídeo é parte  do material produzido pelo  Mario Salimon  para o filme  “Hierarquia: conversas depois do fim de um mundo”. Foi gravado no Laboratório de cocriação da Escola de  Redes, em São Paulo, em janeiro de 2012.

Na entrevista falo sobre minha experiência trabalhando com redes no terceiro setor e também no governo. Na parte final,  faço uma digressão sobre questões relativas à virtualidade e à imaterialidade  da vida contemporânea e sobre a importância do design  de interfaces tecnológicas e como estas impactam nos processos  de interação.

Vivianne Amaral – Entrevistas-base do filme Hierarquia: conversas depois do fim de um mundo. from Mario Salimon on Vimeo.

Mais que resistência, invenção

A Baia Hacker com o tempo se configura como um laboratório social, na exploração intensa da interação e do que ela pode produzir, ali, localmente, no microcosmos das redes de convivência que abrangem mais que Itu, pois vivemos num continuum comunicacional, um território virtual entre conectados. A Baia é um laboratório hacker, um projeto da Cria Corpo, empresas ( CriaSolo, Instituto Cidade Jardim, Usimetal, Solid Products  Sinapse, entre outros) e pessoas parceiras num programa da incubadora da Prefeitura de Itu.

11902360_872005712875215_4907833044641014317_n

Foto: Daniela Noronha

O desafio é como podemos criar e sustentar um ambiente amigável, que acolha as pessoas e seus diferentes interesses, de forma que possa ancorar iniciativas econômicas e de aprendizagem que não sejam mediadas apenas pela sociabilidade de mercado e  da produtividade.

Muitas das pessoas que convivem lá têm passagens por organizações não governamentais, movimentos sociais, redes. Muitos são pequenos e micro empreendedores, com idade, variando de 20 a 60 anos. Pessoas cuja visão de negócios está relacionada à felicidade, saúde e bem comum e cujas atividades em grande parte podem ser enquadradas no que hoje se chama de economia criativa (comida, pintura, comunicação, fotografia, música, arte, criação, design…). Uma classe média bem brasileira, pouco dinheiro, pequenos negócios e muita colaboração entre as pessoas para viabilizar ideias e projetos.

Não é aquela turma das startups, do empreendedorismo de prêmios, que viaja pelo mundo, aparece nos TEDS.  Há muita potência, mas são pessoas comuns, produzindo a vida, em cidades interioranas, onde novas formas de viver e ganhar a vida precisam de nichos para se desenvolver, pois prevalece  um certo provincianismo.

Tudo isto ficou muito claro para mim com a realização do Sarau Hacker que reuniu a comunidade que frequenta e gira em torno do espaço da Baia. Lá,  saquei que uma das melhores coisa que uma política pública interessada em impulsionar a economia criativa pode fazer é garantir espaços (e se possível, equipamentos)  para que os pequenos e frágeis negócios se instalem e se desenvolvam. Neste espaços, sem ter que pagar aluguel e com alguma estrutura e gestão que respeite a autonomia e o bem comum, as pessoas podem ter a liberdade e a oportunidade de inventar, encontrar parceiros, aprender a empreender, errar e ser solidários.

baia

Assim como a Baia Hacker, pelo que vejo no Facebook, que é a rede social que frequento diariamente, há inúmeros espaços de convivência com este espírito acontecendo no Brasil.  Neles , passamos da resistência à invenção de novas formas de viver em sociedade. São experiências frágeis, experimentais, muitas vezes precárias.  São na maior parte das vezes invisíveis para as politicas públicas. Neles passamos da resistência à invenção de novas formas de viver em sociedade. São vitais para a sociedade brasileira.

Explorando o possível adjacente

Nos últimos dias  continuamos nossa exploração do possivel adjacente, usando e apresentando o GiFT em várias oportunidades. O possível adjacente é um conceito utilizado por Steven Johnson em “De onde vem as boas ideias”. Um possível adjacente favorável é um dos fatores do  padrão comum identificado por ele no surgimento e  sucesso de  boas ideias.

Uma boa ideia, uma invenção,  é um tipo de bricolagem, de montagem que você faz com o que há nos lugares onde vive, circula, aprende. Criar uma coisa nova e útil,  sempre tem muito de exaptação (outros dos fatores do sucesso, identificado por Johnson). As habilidades, recursos, tecnologias  e conhecimentos existentes onde se vive são a matéria prima e, às vezes, o limite ou a condição de sucesso de uma ideia. [se ainda não leu o livro do Johnson, leia]

Por isso  adorei o Software Free Day, que aconteceu no Laboratório Hacker de Campinas, dia 25 de setembro. O SFD é um evento internacional, mantido pela Software Freedom International (SFI). Em Campinas, a organização foi do  LibrePlanet São Paulo.

Fomos convidados para apresentar o projeto GiFT e o CleverBox, que está cada dia melhor com o trabalho que a rede de usuários do LibraryBox vem fazendo no mundo, incluindo o Edson Ribeiro. Mas o importante foi conhecer as pessoas e as ideias, e conectar num ambiente que faz com que o possível adjacente fique muito propício para um bom desenvolvimento da versão para escolas públicas que venho desenhando para o GiFT. [Cada vez mais  forte a percepção da importância e a vontade de levar a cultura  do software livre para o ambiente escolar.]

Foi lá que escutei : “Computador não é eletrodoméstico, ele é programável!”

sfd

No sábado anterior, fomos  numa ocupação generosa em Barão Geraldo, organizada pelo mupi  e sciencia, gente da economia criativa da RMC que conhecemos na Feira dos Patrulheiros. GiFT!

10622890_294156197437567_8699079794547290188_n

E no dia seguinte, no TEDx Praça da Independência, em Itu, uma produção coletiva de uma rede local muito consistente e ativa.  O tema, a “Cidade que queremos”.  Amigos, ideias, sonhos. E GiFT!

teditu

Coroando tudo isso, inscrevi o GiFT no  prêmio Tecnologia é a Ponte, uma iniciativa do Changemakers da Ashoka e do Instituto Embratel Claro, que criaram um desafio para identificar projetos em andamento em todo o Brasil que utilizem as TICs como ponte para conectar jovens e crianças com novos saberes e oportunidades. Há projetos do mundo todo inscritos na plataforma e muitos são ideias de grande alcance social.  Dá uma passada lá.

GiFT no Patrulheiros Campinas

Na semana de 25 de agosto estivemos  com o GiFT na 3ª Feira Estudantil da ong socioeducativa Patrulheiros Campinas. Montei uma biblioteca  com foco em juventude e estudo e também para educadores.

Patrulheiros Campinas é uma organização que atende adolescentes, de 15 a 18 anos, em situação de vulnerabilidade socioeconômica, sem distinção de raça, sexo, visão política ou crença religiosa. Um trabalho que já tem 25 anos e pelo que vi nos dias em que estive por lá, representa uma oportunidade para muitos jovens trabalhadores terem perspectiva de futuro e um presente significativo, de valorização humana e voltado para o  desenvolvimento pessoal.

patrulheiros

Percebi que, apesar da maioria dos jovens terem smartfones, ainda são muito poucos os que se relacionam com as tecnologias de interação e comunicação da internet como produtores e criadores, saindo da posição de consumidor e de usuário.

Imagino, suponho,  que isto está relacionado à dificuldade de acesso a computadores e a um ambiente cultural onde a apropriação de tecnologias e conhecimento, criação e experimentação sejam a tônica.

Em minhas andanças pelas escolas públicas e nos ambientes colaborativos, vejo que o espírito de laboratório, aprendizagem significativa  e livre criação não estão disponiveis para os jovens das classes mais pobres. O movimento software livre, o open source e os conceitos relacionados às pedagogias de liberdade e de desenvolvimento da criatividades ainda estão restritos às classes médias médias em diante na pirâmide social e ao pessoal que está ( ou  circula)  no ambiente universitário.

Vou começar a investigar, mas pressuponho que na democratização do acesso a tudo isso  teremos uma boa pauta para  intervenções criativas e políticas.

GIFT na exposição Síria: civilização e história

Entre 14 e 25 de julho, aconteceu no Centro Paula Souza , em São Paulo, a exposição Síria: civilização e história, idealizada por Edison Mariotti, com o apoio do Centro Cultural Árabe Sírio. A mostra apresentou trinta painéis que contemplam um recorte histórico da civilização milenar da Síria – os sítios arqueológicos.

Mariotti incluiu na atividade o LibraryBox como suporte tecnológico à exposição, gerando uma rede “WI-FI” local, sem acesso à internet, que propiciou ao visitante, contemplar as obras da exposição, com suas notas explicativas; dados estatísticos e demais relacionados, em seu celular, tablet ou netbook. E baixar em seu equipamento o que lhe interessava.

Já é a segunda exposição em que usamos o LibraryBox, e a avaliação é muito positiva. A solução reduz os custos com a comunicação local e contribui para preservar os suporte das obras (biombos) ou as paredes, pela ausência de cartazes e adesivos. Facilita a interação com o espaço e com as obras e permite que o visitante tenha registrado no seu dispositivo o que for de seu maior interesse, excluindo-se fotos, folhetos ou catálogos, e especialmente dispensando a ajuda de monitores. E também contribui a disseminação do evento nas redes sociais.

É a caixinha esperta em ação. siriaEstamos em fase de explorar suas aplicações em várias situações. GIFT!

projeto gift

gentilezaO projeto GIFT, uma exploração conjunta da SINAPSE e HABISFERA S.p.A ( e rede de amigos) investiga, desenvolve e dissemina suportes tecnológicos para interações culturais inspiradas no conceito de Dádiva (conforme Lewis Hyde).  A iniciativa se interessa pela disseminação livre e distribuída de informações, compartilhamento e cocriação de conhecimento.

Os princípios do projeto são:

1 – O que é bom é dado em retribuição.
2 – O “gift” pertence ao fluxo.
3 – Possuir é dar.

Como acontece

Estamos utilizando  o CleverBox (LibraryBox)  como um dos dispositivos tecnológicos do projeto. Com ele,  é possível consultar  e fazer downloads de arquivos do acervo, chats e futuramente, uploads de arquivos em diversos formatos.

Participamos de ações de ocupação de espaços públicos, em eventos, feiras, escolas, palestras com a geração de uma zona wifi aberta, com chat e acesso a bibliotecas temáticas, com conteúdo em vários formatos e que podem ser baixados por qualquer pessoa que tenha um equipamento com wifi e se conecte  na nossa rede.

Fotos do uso da rede wifi em duas exposições: VERaCIDADE, em Linhares ES e Síria: civilização e história, no Centro Paula Souza, em São Paulo – SP

gift