Arquivo mensal: julho 2016

Como estamos desabilitando a cooperação (na infância)

Trabalhando  na produção do roteiro de aprendizagem para o curso “Dinâmicas da cooperação” , debruço-me  atenta sobre Juntos, do Richard Sennet, um dos livros que me inspiraram a oferecer o curso e lá aprendo  sobre como estamos desabilitando culturalmente a habilidade de cooperação em nossas crianças.

mafalda

Os bebês e as crianças até a idade escolar exploram intensivamente a cooperação  como estratégia de aprendizagem. Quando entram na escola tem início um processo de desabilitação da cooperação via a experiência da desigualdade.  Sennet explica sobre duas formas  que a desigualdade  é vivenciada no ambiente escolar: a separação das crianças em classes diferenciadas por habilidades e capacidade ( nos EUA e Grã- Bretanha, até o século XIX as crianças não eram diferenciadas como atualmente, ficavam na mesma sala a té  a adolescência, na França e Alemanha até o século XVII, as crianças ficavam misturadas até o início da adolescência). A outra forma está diretamente relacionada à desigualdade econômica e social e tudo que vem junto com ela. Tudo isto  começa a ser internalizado e naturalizado pelas crianças.

Desta forma, por volta dos 10 anos, a habilidade social infantil para a cooperação pode ser comprometida pelos fatos econômicos e pela instituições sociais, que moldam o senso de individualidade. Uma das maneiras como isso acontece na nossa sociedade é o consumo.  Acontece facilmente quando a desigualdade já está internalizada, tanto para os que se sentem “superiores” como para os que são “inferiores”.  O marketing convence a infância e a adolescência de que ela é o que possui. São vários tipos de consumo atacando a criança (e seus pais): o consumo médico (a medicalização da infância e da adolescência),  remédios, brinquedos, roupas, lazer, acesso à tecnologia, moradia (condomínios como ilhas). Todos estes consumos vão constituindo as crianças e as diferenciando.

A comparação odiosa  explora o sentimento de inferioridade, por meio  de desdém, exclusão, brincadeiras, humilhações.  O marketing investe  na fantasia que a posse de objetos e o acesso a coisas e serviços pode  proporcionar sentimento de reconhecimento.  E se você não pode comprar?

Há um enunciado óbvio para esta situação: eu sou melhor que você. Há um enunciado silencioso, interno, sutil  desta situação: Você não me vê, eu não conto para você porque não sou bom.  E o ressentimento cresce nutrindo um certo senso de individualidade , marcado pelo sentimento de inferioridade. De novo aqui, a solução que a sociedade de mercado oferece é o consumo de objetos de status para aplacar o ressentimento. Mas ressentimento e sentimentos de inferioridade comprometem a cooperação, desabilitando  habilidades sociais cooperativas.

Eu já tinha observado a desabilitação da cooperação pelo sentimento de  inferioridade e ressentimento em ambientes / relações de trabalho, em post que  fiz na Escola de Redes, em 2010: Pensando sobre cooperação.

A aprendizagem sobre Dinâmicas da Cooperação vai criar uma oportunidade para refletirmos e cocriarmos sobre  várias questões como esta.

Anúncios